sábado, 15 de maio de 2010

ele sou eu.

a independência dele faz parte. a inteligência escapa mesmo sem intenção - pelos braços, pelos olhos e pela boca.

mas tenho um aviso: ele não será seu. deixem-no ser, sejam com ele. e naturalmente, o tempo (?) se encarregará da escolha.

ele é uma das minhas pessoas preferidas. e a coisa mais leve que já provei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário