segunda-feira, 30 de agosto de 2010

eu tenho tpm

aquele famoso ditado "cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é", encaixa em qualquer situação e para qualquer pessoa, já que só nós mesmos que somos capazes de 'compreender' nossas dificuldades e reconhecer nossas qualidades.

vou de titãs quando chega o domingo. mesmo depois de horas sensacionais de um final de semana super agitado, domingo sempre me faz tropeçar. às cinco da tarde começo a imaginar desculpas para não ir trabalhar no dia seguinte, mesmo reconhecendo que essa idéia será abortada no próximo minuto.

domingo é dia de saudade, melancolia e medo. tudo passa, tudo passará - ok, mas confesso que gostaria de pular as últimas horas desse dia. o fantástico até me ajuda, mas sempre vou dormir lembrando do passado, da casa cheia, do bigode e da voz.

o início da minha segunda ainda tem resquícios do domingo, mas acabo de concluir que essa porra toda não passa de uma maldita e fajuta tpm. ah, mulheres...




segunda-feira, 23 de agosto de 2010

poetinha camarada

vinícius voltou a ser pauta nas redações dos jornais. é uma delícia poder recortar suas matérias e imaginar sua vida e sensações, reconhecendo a grande influência que ele exerceu sob milhares de corações - inclusive o meu.


poética - vinícius de moraes

de manhã escureço
de dia tardo
de tarde anoiteço
de noite ardo

a oeste a morte
contra quem vivo
do sul cativo
o este é meu norte

outros que contem
passo por passo:
eu morro ontem

nasço amanhã
ando onde há espaço:
- meu tempo é quando.


valeu, embaixador.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

o meu personagem sou eu

diariamente procuro pelas mãos, vestígios de novas pintas. abro sete vezes o calendário embutido que tem na minha caneta (juro por deus). tomo cerca de 3 a 4 latinhas de coca-cola e devo falar "ó p'cevê" em quase todas as frases.

diariamente nasce um roxo diferente na minha perna. grande ou pequeno, forte ou fraco - todo o santo dia nasce um novo. tomo pó de guaraná mesmo se estiver no ápice da minha agitação, parece meu carregador.

diariamente erro o lugar da vírgula nos meus textos. diariamente, quase a metade deles são reprovados. e todos os dias, aprendo a falar melhor sobre o que quero e da forma que quero.

diariamente fico, pelo menos, 2 minutos na frente do espelho fazendo careta, o que é uma excelente tática para elevar a auto-estima. passo hidratante nos pés, mesmo achando que não faz a menor diferença.

diariamente penso em jogar na mega-sena, mas nunca fiz isso na vida. do mesmo jeito que penso em tentar ser mais séria e não consigo. diariamente compro chocolate na conveniência e como pensando em algum amor (sério, véi).

eu sempre sou a mesma pessoa, diariamente. me dá um alívio isso. acabei de quebrar meu calendário embutido...


quinta-feira, 19 de agosto de 2010

ô manhê!


- que foi, menina?
- ô mãe... tô com fome...
- ah, menina...
- pô mãe, me ajuda... tô com fome...
- ahhhhh clara, vai na rua mata um homi e come!!!

**
- mãããããããe.......
- oi, clarinha.
- mãe, pega água pra mim?
- meu deus do céu, clara, quero só ver quem vai pegar água "procê" quando eu morrer.
- brigada, mãe.

**
- mãe, cê me ama?
- de novo não né, clara?
- pô mãe, quê que custa? cê me ama?
- caramba...
- mãe! você não me ama!
- clara alice, eu te amo até pelada.


quarta-feira, 18 de agosto de 2010

eu quero ser

e de repente começo a inscrever no meu google reader centenas de blogs sobre moda. e em um dia percorrendo inúmeros deles sobre tendência, comportamento e todo esse "blá blá blá modístico", comecei a sentir vontade de ser fashionista, blogueira, SPFW, uhu que demais!

daí me vem as recordações de tudo que eu já quis ser na vida. consigo perder de vista as milhões de profissões que quis e que até mesmo inventei.

a primeira delas é bem clichê, típica dos 4 anos de idade com um plus a mais: queria ser dançarina de sapateado. eu nunca fiz sapateado na vida, meus caros.

lembro bem que os meus desejos dependiam de uma referência. quando fui conhecendo parte da minha família, sempre me apaixonava por uma prima mais velha (paixão em forma de admiração, tá?).

quando fiquei amiga da joanna, ela estudava ferrenhamente pro vestibular. aquilo me animava muito! ela queria ser bióloga marinha, e eu acabei querendo ser também.

depois veio a ju. nossa! a ju era linda, parecia com a minha mãe e tinha um cabelo volumoso, castanhão - um troço! ela estudava arquitetura na ufmg. meu sonho, então, era ser arquiteta.

depois veio medicina, turismo, pedagogia, relações públicas... até aeromoça eu quis ser (uau, juvenau).

e o mundo dá voltas e acaba te encaixando onde você realmente deveria estar, parece até um tabuleiro inteligente. posso tirar uma onda e falar que sou comunicóloga, mas a publicidade me mata de tanto amor!

ah... e mês que vem, pessoal, vou fazer um curso de corte e costura - hehe.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

apenas desejando...

nada é tão impossível que não possa parecer viável, né?
ta aí, em primeira mão, meu protótipo de desejos para uma vida nota dez.

1) ser faixa preta de kung fu
2) morar em portugal e namorar um gajo que me chame de rapariga
3) aprender a fazer guacamole (arriba!)
4) ganhar uma medalha de qualquer coisa em qualquer modalidade
5) ter um filho chamado escafandro
6) nadar no pacífico de madrugada
7) fazer rotas do vinho por portugal, chile e frança
8) ter uma chácara e um cavalo que coma cenouras, chamado josé antônio
9) sentar com pernas de índio no restaurante giratório do mariott marquis, acompanhada de um martini
10) pular de paraquedas gritando "gerônimoooooo"
11) aprender a fazer bananeira longe da parede e por mais de 7 segundos
12) e acabou (gosto de números pares).

supracitando, caros amigos, minha vida é um quebra cabeça muito fácil de montar...


segunda-feira, 9 de agosto de 2010

sábado, 7 de agosto de 2010

7 de agosto

tony bennett era seu ídolo. fazia qualquer coisa por um cigarrinho e um café no fim da tarde (e durante o dia inteiro, melhor dizendo). não cozinhava bem, mas brilhava no purê com carne moída. vejam vocês, ela gostava de feijão gelado com pão.

já foi modelo na frente do louvre. inventou uma língua imaginária para fazer sua filha feliz. não gostava de avião, mas admirava o sonho do mais velho. sempre muito calorosa, não conseguia falar baixo em nenhuma situação.

se bebesse um golinho de vinho, não conseguia parar de rir. ganhava flores do marido aos domingos e acreditava piamente em santa terezinha. usou um palitinho de cenoura do drink como se fosse canudo e pagou o mico do século com o recente namorado.

batalhou por um amor e foi vencedora. detestava brasília, o clima e as pessoas, mas não conseguia viver em outro lugar. se irritava com a quantidade de papel higiênico que a exagerada da sua filha gastava para limpar o xixi e insistia que o bidê poderia ser útil.

a quinta avenida era seu sonho de consumo. lia lya luft e chorou pela morte da elis regina. sua loja preferida chamava strige, mas gostava mesmo é de calça jeans velha e surrada. os cabelos curtos rejuvenesciam sua aparência e deixavam à mostra o pescoço mais lindo que já conheci.

pro filho ensinou que o céu era o limite - e ele aprendeu direitinho. pra filha, ensinou que a melhor saída é uma boa piada - e, claramente, ela aprendeu. o resto ficou por conta da bossa nova, dos livros, das lições de sabedoria, do violão, dos abraços e beijinhos e carinhos seeeeem ter fim...


it's up to you, nenena.


segunda-feira, 2 de agosto de 2010

qualidade

minha drikosa é uma coisa doida. morena, cabelos lisos, coração quente e uma inteligência de impressionar. se você gosta daqui, também vai gostar de lá.


"palavreando...

se o desencontro é um engano... o encontro é um desengano?
se eu te dou um ultimato... você me devolve um "eutemato"?

importunar só ocorre em momento inoportuno, no momento oportuno é oportunidade. assim, como são raros os momentos oportunos, o mundo vive de inoportunidades.

um segredo que eu te conto é uma notícia que publico, e um castigo pra você que, ouvindo, não poderá falar. por outro lado, se só eu sei, é quase como se nem existisse...

as portas do meu mundo estão abertas... se o seu medo permitir que você entre, seja bem-vindo!"

e isso você só vê aqui, na adriana krieger produções textuais - hehe.

oitavo mês do calendário gregoriano

resolvi fazer um post para dar as boas vindas ao mês de agosto.

não tem nada de suuuuuper importante acontecendo esse mês, mas é um período do ano que eu gosto muito. daqui pra dezembro, meu bem, é um pulinho só.

2010 tá parecendo o ano do papa-léguas. tudo muito intenso, rápido, cheio de emoção ou então, sem emoção nenhuma. essa ciclotimia de sentimentos me deixa um pouco confusa. fico meio perdida nesse fiofó todo, desperdiçando um tempo danado pensando em soluções para os meus problemas.

daí, cheguei a conclusão que não adianta pensar em nada. você tem que simplesmente acordar para um novo dia, com disposição à resolver. o problema está em ficar lamuriando o problema. o problema está em perder 59 mil horas da vida, só na atividade (não remunerada, ainda por cima) de pensar demais e fazer de menos.

e eu tô gostando dessa idéia de me preocupar com o simples, porque o composto já é composto demais. e as coisas sempre se ajeitam. vou até escrever isso aqui, porque quando tô no desespero de uma enconha, não consigo pensar positivo - registrando quem sabe, né?

seja bem-vindo, agostão! tô feliz com seus próximos 29 dias.