sábado, 25 de setembro de 2010

dança da solidão

quando vem a madrugada
meu pensamento vagueia
corro os dedos na viola
contemplando a lua cheia...

apesar de tudo existe
uma fonte de água pura
quem beber daquela água
não terá mais amargura.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

a bronca é você

as pessoas hoje em dia são tão acostumadas a me dar bronca, que resolvi dissertar sobre isso no blog. não que eu não mereça todas as broncas, posso garantir que 75% delas são justas, mas acabou virando uma tradição, digamos.

outro dia desses levei bronca da dona antônia, minha digníssima secretária do lar. ela se deu ao desfrute de roubar um papel do meu caderno que eu nem uso, para escrever linhas tortas sobre como devo guardar os lençóis no guarda-roupa. mermão, eu não acreditei.

pra começar: eu tenho somente 3 lençóis (é isso mesmo, lençol é caro). eles estão guardados juntos com as toalhas e eu sou a favor da diversidade cultural, por isso guardo 'tudo junto na mesma pilha' e lá vai felicidade! a dona antônia com seu charme e irreverência decidiu por direito, me obrigar a separar as pilhas - pilha de toalhas versus pilha de lençóis.

fico até sem palavras para definir o meu sentimento quando vi o bilhete. só consigo resumí-lo com um "puta merda". um dia vou contar a ditadura que ela impôs para as compras dos materias de limpeza. se eu não comprar a cera para o piso de madeira que chama ingleza maxx, eu tô fudida. aí sim ela vai gastar todas as folhas do meu caderno que eu nem uso. foda.

e não, as pilhas separadas não funcionaram. aliás, faço questão de organizá-las intercalando: um lençol, uma toalha, um lençol, uma toalha, um lençol, uma toalha... até que acabam os lençóis e sobram só as toalhas.

* para doações de lençol (cama de casal) me liga, me manda um telegrama, uma carta de amor, que eu vou até lá. 

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

tonga da mironga

você que ouve e não fala
você que olha e não vê
eu vou lhe dar uma pala
você vai ter que aprender

você que lê e não sabe
você que reza e não crê
você que entra e não cabe
você vai ter que viver

você que fuma e não traga
e que não paga pra ver
vou lhe rogar uma praga
eu vou é mandar você
pra tonga da mironga do kabuletê.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

ben l'oncle soul

impossível não curtir esse som e não sentir aquela coceira no corpo inteiro querendo se mexer - e muito. esse francesinho simpático me conquistou com seu new soul e os clips retrô suuuuper bem produzidos...

além de cantar em francês e ser um xuxu, ele arrisca alguns covers como seven nation army do white stripes e até i kissed a girl da kate perry - pois é.

vale a pena conferir o myspace do moço!






não resisti em postar o link do rapidshare para baixar o disco. é o tipo de música que me agita, me tira do eixo e me dá vontade de sair correndo por aí, cantando e dançando like no one's watching. é igual redbull que dá asas (essa foi péssima).

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

e brasília chega aos 5%



tá confirmado, estamos todos morrendo.

não sei se isso é aquecimento global, desmatamento da floresta amazônica ou o caráleo. só sei que estamos morrendo e isso é fato.

não lembro muito bem de já ter vivido na brasília dos 5% de umidade relativa do ar. tudo bem que a memória do brasileiro é bem fraca, mas puta que pariu meu amigo... tá realmente difícil.

nessa época a gente sente de tudo: náusea, dor de garganta, secura interna que parece acabar com toda a água do corpo e esturricar os nossos órgãos vitais, dor de cabeça, sede descontrolada, ardência nos olhos... é um verdadeiro "terror e pânico".

se eu trabalhasse em algum senso ou instituto de pesquisa, iria propor a análise em grandes empresas sobre o efeito da seca no progresso dos trabalhadores. na verdade, no retrocesso - tenho a impressão de produzir bem menos durante essa época do ano.

queria mesmo era ficar em casa na frente de um umidificador, curtindo uma pipoquinha com sorvete e as breguices globais da sessão da tarde.

mas a verdade verdadeira é que só tô afim de reclamar de nada, afinal de contas conheço esse clima 'maledito' há 26 anos.

dicas
- use protetor solar. você que é mulher e não quer manchas e envelhecimento precoce, principalmente (pode bezuntar o rosto). e se você dirige, é indispensável (no caso dos menos favorecidos que não tem película na janela e ar-condicionado).

- não arrebente a sua boca. larga de ser murrinha e vai na farmácia comprar um protetor labial. os da nívea são ótimos.

- tome 3 picolés de limão diariamente. não é ácido, caso você discorde. é totalmente refrescante. se a kolynos ainda existisse, diria que o picolé de limão desafia sua refrescância.

- acabaram as dicas. tô ficando muito abusadinha.



terça-feira, 14 de setembro de 2010

a solução para o seu chulé

desde pequena optei por sapatos fechados. antigamente a moda era bota ou tênis branquinho no estilo keds. a única coisa que me permitia usar era, no máximo, um chinelinho kenner (vendia na company, mesma loja das mochilas que arrasavam em 90, 92, 94...).

me imagino neném, caindo na real que o pé existia. sabe aquela fase lá pelos 6, 7 meses que a mini-pessoa fica olhando, mexendo, pegando e até botando o pé na boca? pois é, o trauma deve ter sido bem por aí. devo ter olhado e concluído, "que coisa bizarra, vou fazer de tudo para esconder esse negócio o resto da vida".

dito e feito. desde que me entendo por gente, que anda, fala e toma decisões, decidi comprar sapatos fechados. essa moda since 2006, 2007 mais ou menos, só me favoreceu: sou a rainha das sapatilhas e não me canso, principalmente em promoção (a ávida fode a minha vida).

mas como nem tudo são flores e nem só de água é feito o mar, usar sapatos fechados 'all the time' tem lá seus pontos negativos e para uma moça em início de um relacionamento amoroso como eu, estraga o mundo. tô falando de chulé.

brasília tá um caos climático. umidade relativa chegando à 9, 7%... imaginem vocês o calor e a falta de ar que rola. com isso, acredito que o meu chulé resolveu fazer o caminho inverso da umidade e triplicou! impossível deixar o sapatinho no quarto do bofe, o truque é abandoná-lo na cozinha e fazer uma visita ao banheiro para molhar os pés rapidamente.

nesse desespero, resolvi recorrer aos companheiros de twitter, solicitando "truques da vovó" para acabar com esse meu probleminha que nem a higiene exagerada deu conta.

recebi um site de um amigo (salve alexandrinho!), onde encontrei receita que precisava de 5 dias para ficar pronta. mas não é pra tanto brasil, daqui há 5 dias será outro dia e preciso disso em menos de 15 minutos.

tudo bem... no mesmo site achei a solução com uma receitinha da vovó bem simpática. vamos abandonar o capitalismo desenfreado (eu sou uma contradição) e aderir aos macetinhos que facilitam a vida... segue a receitinha para as chulézentas, assim como eu:

chá do pé cheiroso
- prepare meio litro de água quente para morna, em uma boa temperatura para mergulhar os pés.
- adicione duas colheres de sopa de arnica* e duas colheres de sopa de hortelã.
- mergulhe os pés por 15 minutos e depois disso espere mais 10 minutos para calçar os pés.
- pronto, pode sorrir. vem aí um novo futuro para o odor dos seus pés.


* para quem não sabe ou tem vergonha de perguntar, arnica é uma planta nativa de regiões árticas e temperadas do hemisfério norte, de flores amarelas ou alaranjadas, cultivada como ornamental ou medicinal, mas isso não quer dizer que você vai ter que ir pro ártico ou pro temperado(?) pra adquirir um troço desses. vai lá na farmácia que tem.


é pra você

na última sexta-feira acordei atrasada e com milhões de coisas na cabeça. jobs atrasados na agência, beira do final de semana chegando, dívidas à pagar... meu turbilhão começa a funcionar assim que meu despertador toca, e se põe a descansar quando consigo cerrar os olhos.

pra começar, não tenho tantos problemas pra resolver, a não ser minha compulsão inteiramente exagerada por compras sem sentido. compro tudo, até palito de dente se ele for estilizado. fora essa compulsão toda, eu sou muito nota dez com a vida.

mas para não perder o foco, tenho uma coisa interessante pra contar. passei o final de semana pensando em uma pessoa que eu nunca vi e não sei quem é. uma pessoa que se importou com as coisas que eu falei e que, de certa forma e indiretamente, pude até ajudar.

recebi um e-mail de uma leitora do blog e olha que eu nem sabia que existiam leitores disso aqui. tem um amigo aqui e outro acolá que sempre comenta "ah, que legal", mas jamais imaginaria que alguém desconhecido fosse se importar tanto.

o post é de agradecimento à aline watts, que no seu e-mail digitou elogios confessos. fiquei muito feliz, mal cabia em mim a sensação agradável que você me fez sentir. estava prestes a anunciar o rompante desse espaço e você me deu uma baita de uma motivação, fico sem palavras para agradecer.

hoje contabilizo uns 15 acessos diários nessa pressurização e mesmo sem saber quem são, agradeço à preferência - hehe.

e aline... você foi muito linda no e-mail, obrigada mesmo =)


sexta-feira, 10 de setembro de 2010

bride party

o dia apenas acabou de começar e já sinto o coração palpitar, como se fosse o final do dia de uma super sexta-feira.

10 de setembro é tão nostálgico quanto o dia 8. hoje tiro o tempo para recordar meu pai e toda sua malemolência jovial, voz alta e risadas intensas. mas após 6 anos de sua ausência, começo a planejar passar o dia com mais suavidade, bebendo um vinho para celebrar seus 69 anos muito bem vividos ou simplesmente silenciar a dor com sorrisos.

a noite de ontem já foi um passo à frente para boas vibrações, fui a um encontro de noivas - bride party, tipo. não, eu não vou casar e é sobre isso que vou falar...

nunca sonhei com vestido de noiva. nunca nem sequer me imaginei entrando na igreja de véu e grinalda sob a marcha nupcial. não sei se é questão de estilo ou até mesmo um orgulhinho de mulher moderna. mas independente do motivo, se um dia pintar o amor e o desejo de casar, vou fazê-lo de rasteirinha - tenho problemas com salto alto.

o encontro de ontem foi inusitado. vários profissionais demonstrando produtos, desde fotógrafo e som, a sapatos e curso de sensualidade. pois é, a mulherada tá atenta. um buffet tomou conta do estômago das convidadas e depois de horas assistindo palestras sobre decoração de flores e como fazer a sua lista de presentes, apareceu uma loiraça tomando conta do microfone.

aparentando uns 40 anos e com a voz fanha, ela deu um show à parte com direito a mímicas e dicas sexuais. rebolou, falou palavrão, ensinou técnicas sobre como envolver o seu futuro marido em um sensual "vucu-vucu" e fez um comentário sobre bunda, que me conquistou.

- quando falamos sobre bunda perto dos homens, o que eles pensam? em mulher gostosa.
- quando falamos sobre bunda perto das mulheres, o que elas pensam? celulite.

o mais engraçado foi perceber que mulher é tudo igual. o CEEEELUUULIIITEE foi proferido em uníssono por todas as rachas presentes, inclusive por mim.

tá vendo? tamo aí preocupadaças com esses furinhos corriqueiros que nos perseguem, sem perceber que não deixamos de ser gostosas pro que mais nos interessa: os homens, principalmente aqueles amados.

ao final do bride party concluí que ainda não quero entrar na igreja vestida de noiva. mas tô gostando desse meu novo ofício de deimosèlle promovido pela minha irmã-amiga, roberta.

esses programas femininos vão formando a minha personalidade, escutei por aí que preciso ser mais vaidosa, por isso tô fazendo a unha toda semana e já tenho um batom dentro da bolsa (mas ainda não comecei a usá-lo).

meu subconsciente é foda, não dá folga.


créditos: o evento foi realizado por uma noivinha que tem um blog muito fofo, vale a pena conferir - casamento10.




quinta-feira, 9 de setembro de 2010

flávia paiva

flávia,

resolvi escrever um depoimento pra você no meu blog, porque não tenho mais orkut para gritar ao mundo inteiro todo o meu amor.

não só pelos seus cabelos cacheados e suas veias charmosas no rosto. mas por você ser totalmente sensacional, nas grandes e pequenas coisas.

tá certo que é a sensacional mais chata que já conheci até hoje, mas aqui entre nós, teu coração não cabe em você: é sentimento demais que transborda por aí.

nessas horas podemos acreditar em deus, anjos, força do universo, energia e o caráleo a quatro. tudo pode explicar o sentido da sua existência para o mundo - fazer o bem. obrigada por tudo (principalmente por ser irritante).

te amo demais, tá?

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

believe

se.tem.bro, do dicionário o nono mês do ano no calendário gregoriano, composto de 30 dias.

setembro é um mês marcante na minha vida e na vida de todos aqueles que me conhecem há pelo menos 6 anos.

há 5/6 anos atrás eu sonhava com a vida que eu tenho hoje. sonhava com a estabilidade emocional que em mim desliza sem querer - ainda. sonhava em resistir ao fundo do poço, em acreditar que seria capaz de tocar o barco com esses braços que parecem frágeis e medrosos.

nesse meio tempo, já levei uma bronca da minha faxineira porque deixei a cozinha criar bichos e mofo, por preguiça de limpar. fui para belo horizonte conhecer uma vida louca e trágica, até descobrir que não existe lugar melhor que brasília e o famoso traço do arquiteto que o djavan insiste em cantar.

na confusão me estabilizei na profissão, mas antes disso precisei ser produtora, assessora de imprensa, radialista e jornalista. devagarzinho o mundo foi conspirando a meu favor e quando percebi, as coisas estavam onde exatamente deveriam estar, mesmo aos trancos e barrancos.

e isso não é só comigo, quando de repente, cada pessoa que faz parte da sua vida tem aquele sentido essencial e indispensável. quando você se encontra em uma situação terrível, sem pai nem mãe e nem pé e cabeça, você começa a valorizar os amigos como verdadeira obra de deus, o ensaio à perfeição.