quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

eu tenho um jóinha

tenho um novo ursinho de pelúcia. o nome dele é jóinha. é marronzinho e gordinho, cabe exatamente amassado no meu braço quando deito de bruços para dormir. no dia seguinte quando acordo, ele sempre está do outro lado da cama. tem tantos pêlos que acredito morrer de calor sob meus braços firmes.

estava andando pelo brasília shopping dia desses assumindo a minha condição de "ser sozinha", entendendo aos poucos que o meu progresso humano e espiritual depende unicamente das minhas escolhas e atitudes. encontrei com o jóinha na vitrine de uma loja de brinquedos infantis.

não percebi sua presença imediata porque minha imaginação estava passeando pelo meu extrato bancário e por minha atual condição de sonegadora de impostos. mas quando percebi que estava de cara com uma obra de deus, sem pestanejar rompi a barreira vitrine-cliente e entrei na loja para poder sentir e ver de perto o então futuro jóinha.

foi um momento de amor, ternura, paixão e loucura. sem raciocinar à respeito do custo-benefício daquela pelúcia, segui a passos seguros e firmes para o caixa com o meu jóinha nas mãos. paguei a bagatela de sessenta e oito reais e, desde então, vivo momentos de extrema alegria toda vez que chego em casa e o vejo encostado marotamente no travesseiro, provavelmente me esperando para ser esmagado por mais uma noite.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

a amiga de um amigo meu, é minha amiga

a amiga de um amigo meu chegou atrasada no bar lá pelas tantas, onde a alegria sucumbia severamente em nossos corações.

manu chegou estendendo a mão para cumprimentar, causando um primeiro impacto antipático e arredio. começo a provar com esse texto, que a primeira impressão definitivamente não é a que fica.

nunca tinha conhecido uma mulher que realmente me entusiasmou muito mais do que qualquer possibilidade de paquera pela mesa, mesmo porque paquerar não é o meu forte. em menos de 5 minutos que manu ocupava a cadeira vazia de nossa mesa, constatei que ela poderia ser a mulher da minha vida (calma galera, não exagera na imaginação).

começamos a conversar sobre videogame e vários jogos da nossa época como donkey kong, super mario, top gear e os famosos jogos em rede como quake, age of empires e o recente (não tão recente assim), resident evil. foi amor à segunda impressão e não só da minha parte, mas da mesa inteira que a olhava com um sorriso bobo e admirado.

depois percebi que ela queria um papo mais feminino, quando olhou para mim e disse intempestiva, "sou apaixonada por um cara da academia, mas ele não me conhece, o que eu faço?". foi a coisa mais linda que já ouvi. ela fez um olhar tão puro e dócil que mal pude acreditar que seria dona de 30 anos de vida.

pois bem, trocamos experiências amorosas e casos bobos, descobrimos afinidades como coca-cola e samba e decidimos fielmente nos encontrar novamente, mesmo depois de saber que o sonho da vida dela é ser uma bioterrorista focada em políticos corruptos (ela é infectologista, olha que genial).

o começo da nossa história terminou com elogios mútuos, troca de telefones, o desejo de um novo encontro e a sensação maravilhosa de ter certeza que existem várias "manus" no mundo pra gente ainda conhecer!

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

fucking blah

já dizia a sábia dona maria helena minha digníssima mãe,  "quem fala demais dá bom dia a cavalo".

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

doações à região serrana - RJ

sei que tenho poucos leitores, mas vocês poucos que tiverem qualquer acesso às redes sociais e similares, divulguem o endereço da cruz vermelha de sua cidade ao máximo de pessoas que conseguir.

o desespero no rio é tão avassalador e triste, que fica difícil erguer a coragem em manter a televisão ligada, assistindo um verdadeiro show de horror.

e seja lá qual for a sua religião (e até mesmo se você for ateu), de alguma maneira emane suas energias positivas para aquele povo, que hoje se apega apenas ao próprio corpo, compreendendo em meio à desolação que estar vivo e salvo, é bom demais.

http://www.cruzvermelha.org.br/

domingo, 9 de janeiro de 2011

na dúvida? eu? será?

as mulheres me enlouquecem. eu sou mulher, ou seja, eu me enlouqueço. tudo tá bem, tá lindo, "nossa que maravilha!". De repente, como em um súbito louco e bipolar, tudo tá péssimo.

ai, tô amando... mas amanhã vou concluir (temporariamente, é claro), que o amor me dá enorme preguiça. alface é a coisa mais gostosa do mundo, mas daqui há dois dias não quero nem sentir o cheiro. vem cá, chocolate.

nossa, incrível, a-do-ro banda eva. mas amanhã, ah! o amanhã... janis joplin é o que mais toca no meu ipod.

ai que dúvida: compro um carro, um apartamento no rio de janeiro ou vou pra patagonia nas férias? é... "certamente" decidirei que não quero nada disso. vou pro shopping renovar o guarda-roupas.

pronto, decidi. vou procurar um novo emprego. se bem que esse tá bom, tá ótimo. mas não posso me acomodar, tenho que procurar novas experiências. mas nossa, só tem um ano e meio que estou aqui, as pessoas são agradáveis. quero mudar, emprego novo já! será? é, não sei.

o que aconteceu com meu cabelo? ontem a minha pele era linda. hoje preciso de quilos de maquiagem, não tô legal. amo meu nariz. detesto meu nariz. branco ou preto? branco? preto? quer saber, azul.

acho que vou comprar uma bicicleta. ou é melhor fazer natação? ai, que dúvida. 'parece novidade', mas estou mesmo na dúvida. acho que vou ficar na corridinha. na verdade, preciso economizar - nada de esportes. mas esporte é saúde, é vitalidade. tá, vou me dar um tempo para pensar melhor (índice elevado de auto-boicote feminino).

...

mapa, manual, bússola, rosa dos ventos, orientação da lua... nem gps, meu amigo, nem gps! é humanamente IMPOSSÍVEL entender uma mulher.

(tpm é, "apenas", um breve percurso onde ter dúvida sobre tudo e todos é completamente normal e saudável).

sábado, 8 de janeiro de 2011

tá, ano novo.

dois mil e onze.

e eu achando que dois mil era muito. mal sabia que os anos de dois mil e quatro, dois mil e cinco e dois mil e sete, seriam fundamentais para formar o meu caráter. é isso mesmo, amigão, só formei o meu caráter depois dos vinte.

todo ano novo é novo demais. parece que o relógio das expectativas zeram as promessas e tudo fica "limpo" e incrivelmente interessante. você promete academia, estudo, regime, equilíbrio emocional, saúde, viagens, um novo emprego, amor, grana e todo esse blá blá blá social.

pra dois mil e onze, resolvi fazer onze pedidos. vai ser assim daqui pra frente, sem grandes exageros. não dá pra viver só de planos felizes, bonitinhos, saltitantes e infinitamente perfeitos.

pra dois mil e onze, então, segue uma dose de realidade:

1. escovar os dentes, pelo menos 3 vezes ao dia
2. evitar ressaca
3. insistir na beterraba
4. aprender a fazer as unhas
5. ser pontual
6. limpar as orelhas (a parte de trás - nunca limpo)
7. eliminar a palavra dívida do meu dicionário pessoal
8. diminuir a quantidade de chips por mês (tipo cheetos, fandangos...)
9. controlar insanidades da TPM
10. abandonar a ideia de que bolsa e sapato combinam com auto-estima
11. e por fim, não menos importante: usar ilimitadamente o butão do foda-se

feliz dois mil e onze, queridos.