quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

a amiga de um amigo meu, é minha amiga

a amiga de um amigo meu chegou atrasada no bar lá pelas tantas, onde a alegria sucumbia severamente em nossos corações.

manu chegou estendendo a mão para cumprimentar, causando um primeiro impacto antipático e arredio. começo a provar com esse texto, que a primeira impressão definitivamente não é a que fica.

nunca tinha conhecido uma mulher que realmente me entusiasmou muito mais do que qualquer possibilidade de paquera pela mesa, mesmo porque paquerar não é o meu forte. em menos de 5 minutos que manu ocupava a cadeira vazia de nossa mesa, constatei que ela poderia ser a mulher da minha vida (calma galera, não exagera na imaginação).

começamos a conversar sobre videogame e vários jogos da nossa época como donkey kong, super mario, top gear e os famosos jogos em rede como quake, age of empires e o recente (não tão recente assim), resident evil. foi amor à segunda impressão e não só da minha parte, mas da mesa inteira que a olhava com um sorriso bobo e admirado.

depois percebi que ela queria um papo mais feminino, quando olhou para mim e disse intempestiva, "sou apaixonada por um cara da academia, mas ele não me conhece, o que eu faço?". foi a coisa mais linda que já ouvi. ela fez um olhar tão puro e dócil que mal pude acreditar que seria dona de 30 anos de vida.

pois bem, trocamos experiências amorosas e casos bobos, descobrimos afinidades como coca-cola e samba e decidimos fielmente nos encontrar novamente, mesmo depois de saber que o sonho da vida dela é ser uma bioterrorista focada em políticos corruptos (ela é infectologista, olha que genial).

o começo da nossa história terminou com elogios mútuos, troca de telefones, o desejo de um novo encontro e a sensação maravilhosa de ter certeza que existem várias "manus" no mundo pra gente ainda conhecer!

Nenhum comentário:

Postar um comentário