quarta-feira, 19 de outubro de 2011

estimulando

depois de todos os morangos terem mofado, caio fernando abreu foi capaz de dizer que começou sua faxina jogando fora tudo o que não te servia mais - sentimentos, momentos e pessoas. colocou (não guardou) tudo em uma caixa. e jogou fora. jogou fora. fora. sem apego, sem melancolia e sem saudade. a única ordem seguida à risco era desocupar lugares e filtrar emoções.

- suavidade, do dicionário: qualidade daquilo que é suave. paz e sossego da alma. graça divina. 
- atitude, do dicionário: exteriorização de um intento ou propósito.


domingo, 16 de outubro de 2011

definitivamente, é o que parece

você sempre sonhou em ter tv a cabo na sua casa. talvez isso pudesse ser até considerado meta em seus recursos financeiros futuros. de repente vem uma fézinha e pimba! você pode aplicar mais de cem canais inteiramente à sua disposição dentro da sua rentabilidade melhor, mas mesmo assim, ainda humilde.

sua qualidade de vida cresce em proporções impossíveis de mensurar, é tanto prazer que você fica confuso em conviver com essa nova gama de entretenimento na sua própria casa. com o tempo você passa a ser viciado em alguns canais e programas que te tornam literalmente refém do seu sofá e da sua coca-cola.

você descobre que pode acompanhar os melhores filmes se tiver habilidade de organização e disciplina. quando isso passa a ser um hábito "inlargável" você percebe que a sua vida gira em torno do telecine, da hbo, da warner bros e do gnt. você é capaz de voltar mais cedo da balada, pra não perder a sessão das três e meia que vai passar aquele filme que você esperou vinte e sete dias pelo lançamento.

as suas horas dormidas passam a ser controladas pela programação dos seus canais preferidos. você praticamente é o que você vê. seu assunto é sempre um filme que passou na noite passada, ou aquele programa que te faz chorar toda vez que veiculado.

você se sente mais inteligente, rico em conteúdo, cheio de coisas interessantes para contar. e de repente, você percebe que um dos ônus mais gostosos de se ter tv a cabo é a capacidade de sair de casa, sem sair de casa! e a sua tv é finalmente promovida de ser inanimado para o ser mais animado da face da terra. e os cotidianos trinta e nove metros quadrados passam a ser o espaço mais agradável e feliz que você já conheceu.

viva a capacidade de fantasiar, com a ajudinha - é claro - da tv a cabo!

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

no total são 7

faço coleção de amores platônicos. tenho um caderninho na minha bolsa para controlar metricamente a estatística dos meus amores platônicos. sou capaz de me apaixonar na praça de alimentação do shopping, na fila do supermercado e até no posto de gasolina.

o pré-requisito para um amor platônico é ser imperfeito em alguma coisa: ter o cabelo feio, o dente torto, a barba cheia ou uma blusa xadrez furada. qualquer semelhança a algum desses elementos é a mesma coisa que fazer um strike no meu tímido e anônimo coração.

essa é uma excelente terapia do riso para quem quer ser independente. ele tem prazo de validade dependendo do ambiente e da intensidade e você pode administrar sem dor todos os seus sentimentos (essa é a melhor das vantagens).

é como um controle e uma possessão saudáveis, um jeito gostoso e infinitamente seguro de amar. você não precisa pagar jantar e nem guardar dinheiro pra viajar. você só precisa de imaginação, criatividade e muito bom gosto para coisas simples.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

vai dar merda

problema detectado

outro dia desses deitei minha cabeça no travesseiro como o costume de todas as noites. não tenho problemas para dormir, na verdade é uma das minhas atividades preferidas, faço com a maior facilidade.

o meu problema é administrar a criatividade no encontro do descanso da mente com o conforto do travesseiro. no momento em que finalmente acho que vou esvaziar a mente no estilo meditação, é aí que sobra espaço para a criação, que geralmente penso em desperdiçar nesse espaço cheio de pressão.

em tempos como esses, para não perder a ideia que ali na hora do sono me vem como luz para meu atual silêncio de letras, pego o bloco de notas do meu celular (viva a era digital) e anoto tudo que tenho vontade de vomitar na cara de vocês.

hoje lembrei que tinha feito uma pré-pauta em um desses dias de incubação noturna, e para minha surpresa lá estava escrito "eu não sei chorar por amor".

boa noite.